MÊNCIO NA HISTÓRIA (1) – A CANONIZAÇÃO DE MÊNCIO

Neste novo ciclo, apresentamos Mêncio e a obra homônima.  Começamos com o paradoxo de que se tornou uma figura de proa do Confucionismo após permanecer ignorado por mais de mil anos.  No século IX, o ensaísta Han Yu (dinastia Tang) elegeu Mêncio como o único herdeiro de Confúcio, em parte como reação ideológica ao Budismo.  Com a nova separação da China em dois corpos políticos, a “Transmissão Ortodoxa do Dao”, agora incluindo os dois irmãos Cheng e Zhu Xi, consolidou o estatuto de Mêncio, que seria efetivamente canonizado como “Segundo Sábio” no século XIV.

 

Referências básicas:

Han Yu, Obras, “Ensaio sobre o Dao Original” (唐韩愈《韩昌黎集》卷十一《杂著一·原道》)

Cheng Hao e Cheng Yi, Obra Completa dos Irmãos Cheng, “Memorial fúnebre do Senhor Mingdao” (宋程顥、程頤《二程文集》卷第十二《明道先生墓表》)

Zhu Xi, Ensinamentos Orais do Mestre Zhu, “Sobre Confúcio, Mêncio, mestres Cheng, mestre Zhang” (《朱子语类》卷九十三《孔孟周程張子》)

MÊNCIO NA HISTÓRIA (2) – EM BUSCA DO MÊNCIO HISTÓRICO

Nesta transmissão, tentamos entender de que maneira o pensamento original de Mêncio foi revigorado e adaptado a diferentes condições históricas.  Ele foi utilizado efetivamente como autoridade contra o Budismo e Taoismo, pois já havia se levantado contra o pensamento das “Heterodoxias” em seu tempo. Também pôde ser tornar bandeira da classe burocrática por defender seu papel de supervisora dos soberanos e por reclamar-lhe mais independência financeira e institucional.  Porém, suas ideias não foram populares no seu tempo, o que o manteve um pensador marginal por mais de um milênio.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 1 “Relato Fundamental dos Cinco Soberanos”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (西汉司马迁着《史记》卷第一《五帝本纪》;卷第七十四《孟子荀卿》)

Confúcio, Os Analectos. 2.16; 17.21; 18.5; 18.7 (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》)

Mêncio, O Livro de Mêncio. 1.1; 2.5; 5.4 (战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》)

Mo Di, O Livro do Mestre Mo, rolos 5, 6, 49 e 50  (春秋墨翟及弟子著、吴毓江集注《墨子集注》 《卷第五 ·非攻》; 《卷第六 · 节用、节丧》;《卷第四十九 ·鲁问》; 《卷第五十· 公输》

MÊNCIO NA HISTÓRIA (3) – A TRADIÇÃO DE MÊNCIO

Com este programa, iniciamos o estudo da biografia de Mêncio, tomando por base o texto de Sima Qian.  Exploramos a trajetória educacional do pensador, através da linha de transmissão de que faz parte.  Discutimos a visão tradicional, segundo que Mêncio foi aluno de um neto de Confúcio (Zisi), que por sua vez seguiu o Mestre Zeng (Zeng Shen), um discípulo tardio da geração que estudou diretamente com o Velho Mestre.  Das muitas dificuldades e incoerências dessa visão tradicional, percebemos a influência de fatores ideológicos e políticos, bem como dos interesses pessoais na tradição confuciana.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 47, “Clã Nobre XVII: O Clã Nobre de Confúcio”; rolo 67 “Série Biográfica VII: Biografias dos Discípulos de Confúcio”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (《史记》卷第四十七《世家 ·孔子世家第十七》;卷第六十七《列传 ·仲尼弟子列传第七》;卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》)

Livro de Han, de Ban Gu: rolo 30, “Tratado X: Tratado Bibliográfico de Letras e Artes”; (东汉班固《汉书》卷第三十《志 · 艺文志第十》)

Confúcio, Os Analectos. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》)

Mêncio, O Livro de Mêncio.(战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》)

Han Fei, Livro do Mestre Han Fei, cap. 50 “As Doutrinas Eminentes”(战国韩国韩非著清王先慎编《韩非子集解》卷第五十《显学》)

Liu Xiang, Biografias das Mulheres Virtuosas, rolo 1, “Os Modelos de Maternidade: A Mãe de Meng Ke”(西汉劉向《烈女傳 》卷第一《母儀·鄒孟軻母》)

MÊNCIO NA HISTÓRIA (4) – RUMO A UMA CARREIRA POLÍTICA

Neste programa, continuamos a investigar a biografia de Mêncio, especulando sobre a etapa preliminar às suas viagens em busca de uma posição política nas cortes das potências da época, o que lembra o “Périplo pelos Países” de Confúcio.  Tentamos entender como o treinamento intelectual e moral que recebeu foi determinante para tal opção de vida, inspirando-nos em dois textos intimamente relacionados aos ensinamentos transmitidos pelo próprio Mêncio: o Pequeno e o Grande Aprendizado.  Desvelamos a relação íntima entre a autocultivação, a doutrinação moral e o governo da sociedade, assinalando que o sistema dos Ritos funciona como o grande padronizador do estilo de vida confuciano.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 47, “Clã Nobre XVII: O Clã Nobre de Confúcio”; rolo 67 “Série Biográfica VII: Biografias dos Discípulos de Confúcio”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (《史记》卷第四十七《世家 ·孔子世家第十七》;卷第六十七《列传 ·仲尼弟子列传第七》;卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》)

Confúcio, Os Analectos. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》)

Confúcio (atribuído), O Grande Aprendizado. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《大学集注》)

Mêncio, O Livro de Mêncio.(战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》)

Zhu Xi e Liu Qingzhi, O Pequeno Aprendizado. (宋朱熹、刘清之著、明陈选集注《小学集注》)

MÊNCIO NA HISTÓRIA (5) – O CONTEXTO DO PÉRIPLO Audio Player

Neste episódio, explicamos o contexto do “Périplo aos Países” que Mêncio realizou em busca de uma posição político-burocrática.  Assim como Confúcio, Mêncio visou as cortes de países mais importantes em sua época, tentando implementar o projeto confuciano de governança.  Durante todo o “Périplo”, Mêncio foi acompanhado por um equipe de discípulos, assumindo contornos de organização política.  Diferentemente de Confúcio, Mêncio atuou precipuamente como um conselheiro político, num contexto em que havia uma nova classe governante oriunda da baixa nobreza Dafu e um número maior de doutrinas rivais, que enfatizavam estratégia, diplomacia e reforma política.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 47, “Clã Nobre XVII: O Clã Nobre de Confúcio”; rolo 67 “Série Biográfica VII: Biografias dos Discípulos de Confúcio”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (《史记》卷第四十七《世家 ·孔子世家第十七》;卷第六十七《列传 ·仲尼弟子列传第七》;卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》)

Confúcio, Os Analectos, especialmente 9.5; 14.17; 15.2; 18.8. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》),尤其9.5; 14.17; 15.2; 18.8。

Mêncio, O Livro de Mêncio, especialmente 1.3; 4.15; 6.9; 6.14; 5.1; 8.58; 12.27.(战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》),尤其1.3; 4.15; 6.9; 6.14; 5.1; 8.58; 12.27。

MÊNCIO NA HISTÓRIA (6) – OS REINOS COMBATENTES

Neste programa, relatamos o que Sima Qian diz sobre o périplo de Mêncio e suas consequências.  Esse material é muito sucinto, revelando o interesse mais amplo de Sima Qian em explorar o pano de fundo político e intelectual da época de Mêncio.  Depois de o grande feudo de Jin haver sido desmembrado entre três clãs da baixa nobreza dos Dafu (Han, Zhao, Wei), no tempo de Mêncio, a China dividia-se em sete grandes Estados constantemente em guerra uns com os outros, dos quais o mais importante era o reino de Qi.  Esse período foi batizado de “Reinos Combatentes”.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 47, “Clã Nobre XVII: O Clã Nobre de Confúcio”; rolo 67 “Série Biográfica VII: Biografias dos Discípulos de Confúcio”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (《史记》卷第四十七《世家 ·孔子世家第十七》;卷第六十七《列传 ·仲尼弟子列传第七》;卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》)

Confúcio, Os Analectos. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》)。

Mêncio, O Livro de Mêncio.(战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》)。

MÊNCIO NA HISTÓRIA (7) – A ACADEMIA DE JIXIA

Neste episódio, resumimos a história intelectual do período de Mêncio, distinguindo dois tipos de personagens: os reformistas e os eruditos.  Os reformistas assumiram cargos de relevo, tendo transformado o sistema político e militar da China.  Nessa época, destacam-se Wu Qi, Sun Bin e Tian Ji, assim como Shang Yang, que lançou as bases para o país de Qin unificar toda a China.  Já os eruditos tinham um papel mais limitado de conselheiros.  Qi, a maior potência nesse tempo, criou a academia de Jixia, que atraiu um grande número de chefes de escola.  Além de Mêncio, os mais famosos em Jixia incluem Zou Yan, Chun Yukun e um grupo de pensadores daoistas da seita Huang-Lao, como Shen Dao, cujas ideias aproximavam-se do Legalismo.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 65 “Série Biográfica V: Mestre Sun e Wu Qi”; rolo 67 “Série Biográfica VII: Biografias dos Discípulos de Confúcio”; rolo 68 “Série Biográfica VIII: Senhor Shang”; rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; rolo 126 “Série Biográfica 45: os Cômicos”; (西汉司马迁著《史记》卷第六十五《列传 · 孙子吴起第五》;卷第六十七《列传 ·仲尼弟子列传第七》;卷第六十八《列传 · 商君第八》;卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》; 卷第一百二十六《列传 · 滑稽第四十五》)

Confúcio, Os Analectos. (春秋孔丘及弟子著、朱熹注《论语集注》)。

Mêncio, O Livro de Mêncio.(战国孟轲与弟子著、朱熹注《孟子集注》)。

Zhuangzi, O Livro do Mestre Zhuang. Cap. 33: Tudo sob o Céu(战国庄周與弟子著《莊子》卷第三十三《雜篇·天下》)

O LIVRO DE MÊNCIO (1) – CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

Neste episódio, discutimos o processo de compilação do Livro de Mêncio e descrevemos suas características literárias gerais.  O Livro continua a tradição dos Analectos, desenvolvendo-a em direção ao período dos Reinos Combatentes.  Tal como propõe Sima Qian (primeiro biógrafo do filósofo), Mêncio deve ter chefiado a compilação de sua obra, pois ela nem registra a sua morte, nem traz ensinamentos de seus sucessores.  Embora pertença ao mesmo gênero literário dos Analectos, o Livro de Mêncio desenvolve a forma do diálogo ao seu apogeu. Diferentemente de Confúcio nos Analectos, não há um claro desenvolvimento emocional e espiritual de Mêncio no Livro.  A obra foi transmitida por leitores e colecionadores, sendo preservada pelo ecletismo da ideologia imperial.

 

Referências básicas:

Registros do Cronista, de Sima Qian: rolo 74 “Série Biográfica XIV: Mêncio e Xun Qing”; (西汉司马迁著《史记》卷第七十四《列传·孟子荀卿第十四》)

Confúcio e discípulos.  Os Analectos, com as Notas Reunidas de Zhu Xi. (春秋孔丘及弟子著、南宋朱熹注《论语集注》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

O LIVRO DE MÊNCIO (2) – DEIXANDO ZOU

A partir deste programa, começamos a leitura do Livro de Mêncio organizando as passagens cronologicamente e interpretando-as numa abordagem de história das ideias.  Os trechos mais antigos do Livro já retratam um Mêncio maduro, gozando de uma boa reputação em Zou, sua terra natal, e nos arredores.  Mêncio já estava a construir uma rede de relações, que o ajudaria a buscar posições políticas nas cortes, especialmente no país de Qi.  Além disso, logo nessas passagens, já estão presentes os principais temas do pensamento de Mêncio, tais como o “Governo pela Humanidade” (“Caminho do Rei”) e a perfectibilização moral dos indivíduos (“qualquer um pode ser como os reis sábios Yao e Shun”).

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Passagens em destaque:  1B.12; 2B.4; 6B.2.

O LIVRO DE MÊNCIO (3) – APROXIMANDO-SE DE QI

Neste episódio, falamos sobre os primeiros esforços de Mêncio para conseguir uma posição na corte de Qi, a grande potência de sua época, como forma de pôr em ação seu ideal de “Governo pela Humanidade”.  O pensador chegou aos ouvidos do rei Wei, ao cerrar laços com o influente general Kuang Zhang e também se aproximando de outros Dafu (classe/estatuto social de Mêncio).  Porém, Mêncio não conquistou o espaço que desejava e voltou-se para feudos menores.  Nas passagens deste período, tem relevo a “crítica de personalidades”, ou seja, o debate sobre méritos e valores de indivíduos, voltada para a construção de alianças e grupos políticos.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Liu Xiang.  Os Estratagemas dos Reinos Combatentes (西汉刘向《战国策》)

Passagens em destaque:  2B.3; 4B.30; 4B.32; 6B.5.

O LIVRO DE MÊNCIO (4) – ERRÂNCIAS E OPORTUNIDADE

Após sua breve passagem por Qi, Mêncio tenta se posicionar nas cortes de países menores.  Explicamos como, diante de contrariedades e malogros, Mêncio manteve suas emoções sob controle: é preciso conservar e fazer fluir a energia vital através do poder dos ideais, orientado a expressão verbal e física adequada à cada situação.  Com essa compostura, Mêncio passou pelo feudo de Song, onde continua a divulgar seu pensamento de “Governo pela Humanidade”.  Apesar de ter apenas se relacionado com membros da classe dos Dafu (todos Shi, como Mêncio) em Song, o pensador conhece o futuro duque Wen, herdeiro do pequeno país de Teng, que se tornará um de seus mais importantes patronos.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)

Passagens em destaque:  2A.2; 2B.5; 3B.1; 3B.2;3B.5; 3B.6.

O LIVRO DE MÊNCIO (5) – A PLATAFORMA POLÍTICA DE MÊNCIO

Mêncio serviu como conselheiro ducal no pequeno feudo de Teng.  Em sua passagem por aquele país, Mêncio pela primeira vez detalha sua doutrina de “Caminho Real” e “Governo pela Humanidade” em termos de políticas concretas de governo.  Em primeiro lugar, vinha a organização econômico-administrativa do “Sistema de Terreno e Poço”, prevendo a distribuição equitativa de terras aos agricultores e a fixação de um imposto proporcional e corveias regulares.  A rigidez das punições seria substituída pelo trabalho regular e vida comunitária.  Os burocratas seriam sustentados pelo erário e sua honestidade garantida pela hereditariedade dos cargos.  A estabilidade dos regimes legais e administrativos atrairia agricultores de outras regiões, enriquecendo e expandindo o país pacificamente.  No futuro, esse ideal serviria de fundamento para a ideologia imperial.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Passagens em destaque:  3B.3; 3B.8.

O LIVRO DE MÊNCIO (6) – O HÓSPEDE DESTEMIDO

Depois de poucos anos em Teng, Mêncio decide abandonar o duque Wen, opondo-se a que se entrasse numa aliança pragmática sob potências maiores.  Ironicamente, a aliança selada por Teng leva Mêncio ao país de Wei, outrora uma grande potência.  Como de praxe, Mêncio foi recebido na condição subalterna de hóspede.  Porém, sua personalidade forte e idealismo não lhe permitiam contemporizar, como comprova a áspera relação com o rei Hui. Reprovando seus valores e atitudes, Mêncio defende que o soberano deveria garantir a estabilidade e prosperidade do campesinato, promovendo uma forte coesão social e fidelidade inquebrantável através do “Caminho Real” (ou “Dao do Rei”) – o que presumia a moralidade impoluta (“Humanidade”) do governante.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Passagens em destaque:  1A.1; 1A.2; 1A.3; 1A.4; 1A.5; 1B.13; 1B.14; 1B.15; 3B.4.

O LIVRO DE MÊNCIO (7) – BONDADE NATURAL Audio Player

Falamos sobre a doutrina moral de Mêncio, no seu contexto político e social.  Ele abandonou o feudo de Wei em direção à Qi, por não reconhecer a virtude da Humanidade no sucessor da coroa.  Mêncio teoriza que há dois tipos de nobreza, a dada pelo Céu e pelo Homem.  A primeira advém da moralidade, possuída por cada um desde o nascimento, sob forma de sentimentos chamados de “Quatro Inícios da Moralidade”.  Desta maneira, coletivamente, o ser humano é naturalmente bom.  Porém, individualmente, é possível sucumbirem aos próprios desejos, violando a regra moral, descrita como “Mandato do Céu”.  Qualquer pessoa conhece o que é certo (“Bom Saber”) e é capaz de praticá-lo (“Bom Poder”) de nascença, embora se distingam no plano da pureza moral realizada na vida de cada um.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Passagens em destaque:  1A.6; 3A.6; 6A.1; 6A.2; 6A.6; 6A.16; 7A.1; 7A.15; 7A.24; 7A.30.

O LIVRO DE MÊNCIO (8) – O CAMINHO REAL/O DAO DO REI

Na última etapa de sua carreira, Mêncio obtém um cargo na corte do rei Xuan de Qi.  O pensador esteve sempre à busca de um patrono aberto à influência de sua doutrina, sintetizada como “Dao do Rei”.  Sob cultivação moral e através da plataforma confuciana de governo, um novo clã seria capaz de herdar o “Mandato do Céu” de Zhou ao se tornar “Pai e Mãe do Povo”.  Mêncio tentou evitar que Qi interviesse na crise de transição no feudo de Yan.  O rei ignorou suas recomendações, provocando um estranhamento mútuo.  Em protesto, Mêncio passa a atacar o rei, até mesmo sugerindo sua abdicação.  Reconhecendo a subordinação política como necessária, Mêncio valorizava a opinião pública, como contrapeso à competição de facções na corte.

 

Referências básicas:

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com Notas e Explicações de Zhao Qi e Sun Shi.(战国孟轲与弟子著,东汉赵岐注、北宋孙奭《孟子注疏》)。

Mêncio e discípulos. O Livro de Mêncio, com as Notas Reunidas de Zhu Xi.(战国孟轲与弟子著、南宋朱熹注《孟子集注》)。

Passagens em destaque:  1A.4; 1B.4; 1B.5; 1B.6; 1B.7; 1B.8; 1B.10; 1B.11; 2.B1; 2B.8; 2B.9; 3A.3; 3B.3; 4B.3; 5B.9; 7A.36.

The radio programme is also accessible on the website of CRIpor:
https://portuguese.cri.cn/zt/cultura/index.html